Pesquisar este blog

MPB - Google Notícias

Quem Somos?


 A Rádio Campinarte na verdade é um blog com o objetivo de divulgar, promover e na medida do possível gerar renda para os artistas (músicos) em particular do Terceiro Distrito de Duque de Caxias no Rio de Janeiro.
Um blog com cara de rádio, notícias do mundo do rádio, cantores do rádio.Um blog que tem como uma de suas principais bandeiras os novos talentos sem esquecer dos grandes nomes da música popular brasileira de todos os tempos; sem esquecer os pioneiros, os baluartes, os verdadeiros ícones da era de ouro do rádio. Fazemos isso para que esses novos talentos não percam de vista nossas referências musicais que até hoje são veneradas mundo a fora - uma forma que encontramos de dizer um MUITO OBRIGADO àqueles que nos proporcionaram (e continuam proporcionando) com suas vozes, suas músicas, momentos de paz e alegria. Uma maneira de agradecer a todos que ajudaram a compor as trilhas sonoras de milhões e milhões de pessoas.
Este blog irá gradativamente estreitar os seus laços com as Rádios Comunitárias que desenvolvem um papel importantíssimo em nossos bairros.
A Rádio Campinarte tem (fundamentalmente) um compromisso com a qualidade e o bom gosto / e qualidade e bom gosto nos vamos pinçar nos nossos bairros, o que nós queremos mesmo é fazer jus ao nome: RÁDIO CAMPINARTE - O SOM DAS COMUNIDADES.

Nenhum texto alternativo automático disponível.
CLIQUE NAS IMAGENS E OUÇA OS NOSSOS ESPECIAIS

  
   

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Especial / Rosa Passos


Cantora, violonista e compositora que estreou o disco "Recriação". Em 1993 lançou o CD "Festa", interpretando parcerias com Fernando de Oliveira e Aldir Blanc, entre outros, e três anos depois, gravou o CD "Pano pra manga", predominantemente autoral.
Em 2002, lançou somente para o mercado americano o CD "Me and my heart" com Paulo Paulelli(baixo acústico e percussão de boca) e participou de diversos festivais de jazz, acompanhada por vários músicos de renome internacional, como Toots Thielemans, Paquito D'Rivera e David Finch. Ainda nesse ano, lançou o CD "Azul", contendo composições de Djavan, Gilberto Gil e João Bosco. O disco contou com a participação de Teco Cardoso, Léa Freire, Lula Galvão, Proveta e da Banda Mantiqueira.
Site Sobre a Cantora: http://www.rosapassos.com.br/

UMA MÚSICA DE SUCESSO / ASA BRANCA

Criamos essa seção para matar a curiosidade de muitos amigos e leitores no que diz respeito a determinadas músicas.
Vamos (na medida do possível) apresentar aqui músicas que fizeram, fazem e (pelo jeito) continuarão fazendo sucesso por muitos e muitos anos.
Músicas que tiveram muitos intérpretes, muitas versões e que evidentemente não poderiam ficar de fora do repertório de grandes cantores, cantoras, orquestras, bandas, etc.
Uma Música de Sucesso, apresenta: ASA BRANCA /
Selecionamos essas versões da música Asa Branca para que você internauta possa conferir numa única seqüência os vários estilos de diversos intérpretes. Não foi possível reunir todas as gravações dessa verdadeira jóia composta por Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, mas o que conseguimos pensamos ser o suficiente para darmos uma mostra do que chamamos com todas as letras de UMA MÚSICA DE SUCESSO!





quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

De volta no tempo / A música de Ricardo Bezerra


Montado num cavalo-ferro, Ricardo Bezerra via sua poesia ecoar pelo Brasil, quando a geração que viria a ser conhecida como ´Pessoal do Ceará´ recolocou a produção musical cearense no mapa, na década de 70. Presente no disco ´Meu Corpo, Minha Embalagem, Todo Gasto na Viagem´, compartilhado por Ednardo, Téti e Rodger Rogério, ´Cavalo-ferro´ exemplificou a parceria entre Ricardo e Raimundo Fagner, estampada também no título do LP de estréia do cantor, ´Manera Fru Fru Manera´.

Apesar desses êxitos que o tempo não cuida de superar, Ricardo Bezerra faz questão de relativizar seus méritos como letrista, destacando a própria inclinação para a música, mesmo sem pretensões de virtuosismo. ´Na verdade, essa minha fase de letrista foi um acidente de percurso, porque o Fagner não se dedicava a isso, e eu assumi na nossa parceria, na época´, delimita. ´Mas até hoje ainda tô pra entender como consegui fazer a letra de ´Cavalo ferro´, de ´Manera Fru Fr u´. Acho que só a idade mesmo, né? A gente é afoito, se mete e faz. Ali naqueles dois casos deu certo, mas foi graças às músicas que o Fagner botou ali´, credita, humildemente omitindo a própria desenvoltura na melodia de canções como ´Sina´, creditada a ele, Fagner e ao autor dos versos: Patativa do Assaré. Outro clássico da música feita no Ceará.

´Meu lado mesmo sempre foi a música. Toco piano desde muito novo. Estudei com a Dona Vanda e com o Orlando Leite, em uma pequena formação, de dois, três anos, mas que deu uma base muito forte´, rememora. ´E aí nunca mais deixei. Não tem como deixar a música. É uma coisa visceral´.

Passadas mais de três décadas desde sua própria estréia em disco solo (com o LP ´Maraponga´, de 1978), Ricardo se prepara agora para encarar um novo desafio: uma apresentação no X Festival Jazz & Blues de Guaramiranga. Na segunda-feira de carnaval, o piano Steinway que deve subir a serra será o veículo para o compositor compartilhar histórias e criações com o público - privilegiando temas mais recentes e falando de seu processo criativo, muitas vezes marcado pela ludicidade.

´Tive experiências como a da ´Trilogia do Sonho´, de fazer umas músicas sonhando... É um barato´, aponta. ´Outras músicas ficam sem nome, levam o nome da hora em que foram feitas. ´Domingo de manhã´, ´Quinta de noite´...´, enumera. ´Uma eu fiz e tinha certeza que era uma música que já existia, um plágio. Mostrei a vários amigos, a outros músicos, e todo mundo me dizia que não, que era uma música nova. Aí acabei deixando o ´plágio´ no nome. Ficou ´Plágio em bolero´, embora nem seja mais um bolero´, ri-se.

Outra dessa nova safra é ´Carnaval da Aurora´, uma marchinha que surgiu de estalo, ao ouvir em um programa de rádio a produtora cultural Aurora Miranda Leão. ´Veio a idéia de uma marchinha, porque ela estava falando em um festival de marchas. Chamei outras pessoas pra fazer junto, mas acabei fazendo sozinho mesmo. Se houver clima, encerro o show em Guaramiranga com essa música, aproveitando que vai ser carnaval´.

Biografia

Compositor. Cantor.
[Saiba Mais]

Dados Artísticos

Como compositor tem três parcerias com Fagner, "Cavalo ferro", "Manera frufru manera" e "Sina". Lançou no fim da década de 70 um LP no qual misturava MPB com elementos do rock.
[Saiba Mais]

Obras

  • Cavalo ferro (c/ Fagner)
  • Manera frufru manera (c/ Fagner)
  • Sina (c/ Fagner)
[Saiba Mais]

Discografia

  • ([S/D]) Ricardo Bezerra • LP
[Saiba Mais]

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Especial / Brenda Lee

 Lee nasceu com pouco mais de 2 kg, em 11 de dezembro de 1944, na enfermaria de caridade Grady Memorial Hospital em Atlanta,Geórgia. Ela frequentou colégios de ensino fundamental, onde seu pai trabalhou, principalmente, na rota entre Atlanta e Augusta. Sua família era pobre e vivia precariamente numa casa de 3 cômodos, sem água corrente. Ali, Brenda dividia a mesma cama com 2 irmãos. Sua vida resumia-se em ver seus pais procurando emprego, na sua família e na Igreja Batista, onde ela cantava 'solo' a cada domingo.[2]
 
O pai de Lee, Ruben Tarpley, era filho de um fazendeiro que possuia uma área de terras férteis, na Geórgia. Embora a sua altura fosse de apenas 1m70, ele era um excelente arremessador canhoto e passou 11 anos nos Estados Unidos jogando beisebol. Sua mãe,Grayce Yarbrough Tarpley, era da mesma origem humilde da classe operária de Greene County, da Geórgia. Lee era um prodígio musical. Embora sua família não tivesse água encanada até depois da morte de seu pai, possuia um rádio a pilhas que fascinou Brenda, como a um bebê. Na época, embora tivesse apenas 2 anos, ela conseguia assobiar as melodias das canções que ouvia no rádio.[3] Tanto a mãe como uma das irmãs levaram-na várias vezes a uma loja de doces local, onde Brenda, assentada sobre um balcão, ganhava doces e moedas para cantar.

Maiores sucessos: 1958-1965

Lee conseguiu seu maior sucesso nas paradas pop no final dos anos 1950 até meados da década de 1960 com rockabilly e rock and rollcanções de estilo. Seus maiores sucessos incluem "Jambalaya", "Sweet Nothin's" (n. 4) (escrito pelo músico país Ronnie Self), "I Wanna Be Wanted" (No. 1) ",All Alone Am I"(N. 3) e" Fool # 1 "(n. 3). Ela tinha mais hits com as canções pop mais baseadas em" That's All You Gotta Do "(n. º 6), " Emoções "(n. 7) "Você pode depender de mim" (N. 6), Dum Dum" (n. 4), 1962's "Break It To Me Gently"(N. 2), " Everybody Loves Me But You "(n. º 6), e" As Usual "(n. 12).
A faixa mais vendido da carreira de Lee foi um Natal canção. Em 1958, quando ela tinha 13 anos, produtor Owen Bradley perguntou-a para gravar uma música nova com Johnny Marks, que teve sucesso escrevendo músicas de Natal para os cantores de country, mais notavelmente "Rudolph a Rena do Nariz Vermelho"(Gene Autry) E "A Holly Jolly Christmas" (Burl Ives). Lee gravou a canção, "Rockin 'Around a árvore de Natal", em julho, com uma parte de guitarra proeminente twanging por Hank Garland. Decca lançou como um single em novembro daquele ano, mas vendeu apenas 5 000 cópias, e não fez muito melhor quando ele foi lançado novamente em 1959. No entanto, vendeu mais de cinco milhões de cópias.
Em 1960, gravou sua canção-assinatura "I'm Sorry", que foi número 1 no Quadro de avisos em paradas. Foi seu primeiro ouro individual e foi nomeado para um Grammy. Mesmo que ele não fosse lançado como uma canção de país, ele foi um dos primeiros grandes hitsde usar o que viria a ser a som em Nashville - uma orquestra de cordas e vocal de apoio harmonizado legato. "Rockin Around da Árvore de Natal" tem notado em sua terceira versão, alguns meses depois, e as vendas bola de neve, a música continua a ser um eterno favorito no mês de dezembro e é o registro com o qual ela é mais identificado pelo público contemporâneo.
Seu último single top dez das paradas pop em 1963 foi de "Losing You" (n. 6), enquanto ela continuava a ter canções outro gráfico como sua canção em 1966 "Coming On Strong" e "Is It True?" em 1964. Este último, com Jimmy Page na guitarra, foi seu único hit single gravado em Londres, Inglaterra e foi produzido pela Mickie Most.

Memória / Janis Joplin


Site Oficial - Saiba Tudo

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O Que Há de Melhor Pelas Comunidades / Grupo Tudo @ Ver

Apresentação Carlito do Sal
O programa de hoje é dedicado ao Grupo Tudo a Ver que é formado por uma rapaziada da melhor qualidade lá de Nova Campinas, Duque de Caxias - RJ.
Ouviremos na seqüência: Oh! Tentação / Pra valorizar / Não deu em nada 
O Grupo Tudo a Ver nasceu em agosto de 2006, como quase todo grupo de samba, num encontro de amigos. Como a maioria dos integrantes já tocavam profissionalmente o entrosamento foi inevitável. Com o passar dos tempos, o grupo foi homenageado em rede nacional, por seus padrinhos do grupo Molejo na radio FM o DIA e receberam de presente de seus padrinhos o fechamento do CD. Em 2010 o grupo tem planos de divulgar bastante seu disco e trabalhar. O grupo Tudo @ Ver destaca-se pelo altíssimo nível da qualidade musical e a versatilidade do seu repertório. O grupo tem como principal característica à capacidade de emocionar e cativar o público pela qualidade de misturar o samba à MPB.

Grupo Mani@.Com

* Contatos p/ Shows: (21)7653-9001/ (21)2775-5556
* Osvaldo Dias

Ulisses (voz) / Nóbua (Surdo e Percussão Geral) / Marcelo (Tantã e Percussão Geral) / Geovani (Cavaquinho) / Fabinho (Pandeiro)

O amor e a paixão em comum pela boa música, fez com que um grupo de amigos de Santa Cruz da Serra, um bairro do município de Duque de Caxias, se reunisse com objetivo único de transmitir alegria, amor, paz e amizade. Amigos que tinham como ídolos, alguns nomes de músicos que, com certeza, ficaram para eternidade.

Programa - O que há de melhor pelas comunidades / Simone Tertuliano

Começou na música muito cedo, participando de corais de igreja.
Com o passar do tempo, se formou professora de canto,violão e teclado e levava a vida assim, até que conheceu Cíntia Possidonio, também cantora e compositora, e formou a dupla, com isso teve que optar entre a igreja e a M.P.B. E a M.P.B. ganhou !!!
Hoje se apresenta em Shopping’s e barzinhos da cidade, mostrando todo o seu talento e versatilidade .
Está no momento trabalhando o seu primeiro CD. Um CD autoral com algumas músicas em parceria de sua amiga Juçara Freire, com arranjos de Silvestre Alcântara e Produção de Telma Sucupira.

Confira nos sites algumas músicas desse CD tão esperado, e guarde bem esse nome Simone Tertuliano...Teles: 8885-7611 / 2759-0678

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Especial Tonico e Tinoco


Cantores. Dupla sertaneja.
Formada pelos irmãos João Salvador Perez, Tonico - São Manuel, SP- *2/3/1917- São Paulo, SP - +13/8/1994
José Perez, Tinoco - Botucatu, SP - *19/11/1920 - São Paulo - SP - + 04/05/2012
O pai, o imigrante espanhol Salvador Perez, chegado ao Brasil em 1892, com cinco anos de idade, instalou-se na região de Botucatu. Dedicou-se ao trabalho agrícola, ao desbravamento do sertão e criação de novas fazendas. Entre muitas fazendas trabalhou numa propriedade da família de Ademar de Barros. Lá se casou com a filha de outro peão que era sanfoneiro.





Os irmãos João e José cresceram sob a influência musical dos avós maternos que tocavam em bailes de aniversário e casamento. O avô Olegário era o mais famoso e solicitado tocador de sanfona de oito baixos da região. Na família da mãe todos eram músicos. Havia também o tio materno, José, renomado sanfoneiro com quem João (Tonico) conviveu até sete anos. Ainda meninos na fazenda Vargem Grande começaram a cantar com o violeiro Virgílio de Souza, que lhes apresentou a primeira viola. A família mudava-se constantemente de fazenda em fazenda. Na fazenda Tavares, em Botucatu conheceram o violeiro Bonifácio Bonetti, que os ensinou os primeiros acordes de violão. Lá começam a animar as primeiras festinhas cantando serenatas. Em 1937 mudam-se para Sorocaba onde continuam apresentando-se em festas de bairro, ao mesmo tempo em que José trabalhava como engraxate e João na pedreira Santa Helena.

Deixando Sorocaba, rumam para a Fazenda Brejão, em São Manuel, onde formam o conjunto "Os caboclos do Brejão", juntamente com Sílvio Vacaro, Tião, Chiquinho e João Nicolete. Tocavam em festas e bailes das redondezas. Cantam pela primeira vez na Rádio Clube de São Manuel, convidados pelo administrador da fazenda, interpretando a música "Namoro de velhos". Passam a se apresentar de graça na emissora aos domingos.

Em janeiro de 1941, mudaram-se para São Paulo. Ganharam o primeiro lugar no programa de calouros "Peneira Rodhine", da Rádio Cultura. Em seguida, conquistaram o segundo lugar no programa de calouros da Rádio Record, comandado por Otávio Gabus Mendes. Ganharam um concurso de calouros no programa "Manhãs na roça", de Chico Carretel na Rádio Emissora de Piratininga.
Em 1942, o Capitão Furtado abriu um concurso para substituir a dupla Palmeira e Piraci, no programa "Arraial da curva torta". A referida dupla havia sido contratada pela Rádio Nacional do Rio de Janeiro. Os irmãos José e João se inscreveram juntamente com o primo Miguel. Foram apresentados como o "Trio da roça" e interpretaram o cateretê "Tudo tem no sertão",

domingo, 4 de novembro de 2012

Morre a cantora Carmélia Alves

Morreu na noite deste sábado a cantora Carmélia Alves, de 89 anos. Conhecida como a Rainha do Baião, título dado por Luiz Gonzaga, ela estava com câncer. Carmélia fez grande sucesso na década de 50 com a música “Sabiá na gaiola”. O velório da cantora ocorre no Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá, na Zona Oeste.Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/rio/morre-cantora-carmelia-alves-6629461.html#ixzz2BIZRPXI8

Carmélia Alves Curvello
14/2/1923 Rio de Janeiro, RJ  + 03/11/2012

Terceira filha do casal Raimundo, nascido no Ceará e Adelina, nascida na Bahia. Carmélia nasceu no bairro carioca de Bangu numa quarta-feira de cinzas. Ainda bem pequena, seus pais mudaram-se para a localidade de Areal, em Petrópolis, onde foi criada. Seu pai, funcionário do escritório do Departamento de Estradas de Rodagem era muito festeiro, tendo formado conjuntos de baile e organizado blocos carnavalescos e festas juninas. Costumava adormecer embalada pelas cantigas nordestinas cantadas pelo pai. Com 17 anos voltou ao Rio para estudar indo morar na casa de parentes. Por essa época, começou a interessar-se por música, encantando-se de ouvir no rádio as músicas cantadas por Carmen Miranda, da qual tornou-se fã, acompanhando seus programas na Rádio Tupi e recortando suas fotografias de revistas. Recebeu muito incentivo do irmão mais velho, Manoel, que também gostava de cantar e achava que a irmã cantava bem. Durante o período de ginásio, tomou parte em diversos programas de calouros, tendo sido aprovada em todos eles, inclusive, no mais temido de todos, o de Ary Barroso, onde o assistente Macalé fazia soar o gongo eliminando seguidamente os concorrentes. Convidada por Manoel da Nóbrega, outro grande incentivador, participou de seu programa de calouros na Rádio Ipanema. Fez parte do programa "Estrada do Jacó", comandado por Ary Barroso, onde ele apresentava seus melhores calouros. Terminado o curso ginasial, optou por seguir a carreira artística. Foi casada por 54 anos com o cantor Jimmy Lester, casamento pautado pela harmonia e compreensão. Saiba mais - clique aqui

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Uma música de sucesso / As rosas não falam

Essa música de Cartola simplesmente dispensa comentários... "As rosas não falam" é uma das composições mais gravadas desse gênio da música brasileira...
Eu selecionei algumas versões que espero que vocês gostem...Vocês dirão: Ah! Faltou a versão de fulano ou beltrano... Eu sei... A nossa ideia é essa...Lembrar algumas e provocar  a lembrança de tanta e tantas outras...
Muito bem, na seqüência ouviremos interpretando As rosas não falam (de Cartola):

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Especial / Gal Costa


Maria da Graça Costa Penna Burgos
 26/9/1945 Salvador, BA 

Cantora. / Filha de Dona Mariah Costa, sua grande incentivadora que, em entrevistas, conta que passou toda a gestação de Gracinha - nome como era conhecida antes da fama - ouvindo rádio. Cresceu no Bairro da Graça, em Salvador. Na adolescência, trabalhou na loja de discos do jornalista Roni que, coincidentemente, foi, em 1972, promotor do show "Caetano & (...)

Dados Artísticos

Estreou como cantora em junho de 1964, no show "Nós por exemplo", que marcou a inauguração do Teatro Vila Velha, em Salvador, atuando ao lado de Caetano Veloso, Tom Zé, Maria Bethânia, Djalma Correa, Alcivando Luz, Pitti, Fernando Lona e Gilberto Gil. Nesse ano, o grupo ainda apresentou, no mesmo teatro, o show "Nova bossa velha, velha bossa nova". 

Gal Costa

Obras

  • Quando (c/ Caetano Veloso e Gilberto Gil)

Discografia

  • (2013) Recanto ao vivo (Gal Costa) – Universal – DVD, CD duplo
  • (2011) Recanto (Gal Costa) – Universal – CD
  • (2006) Gal Costa - Programa Ensaio - 1994 • Trama • DVD
  • (2005) Hoje • Trama • CD
  • (2003) Todas as coisas e eu • Indie Records • CD
  • (2002) Gal Bossa Tropical • Abril Music/MZA Music • CD

Shows

  • Recanto – Miranda, Rio de Janeiro (2013)
  • Recanto – Miranda, Rio de Janeiro (2012)
  • Nós por exemplo. Teatro Vila Velha, Salvador.
  • Nova bossa velha, velha bossa nova. Teatro Vila Velha, Salvador.
  • Teatro de Arena, São Paulo.
  • Deixa Sangrar. Teatro Opinião, Rio de Janeiro.

Clips

  • De tantos amores. (2001)

Bibliografia Crítica

  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.
  • AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010.
  • REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012. 2ª ed. Idem, 2013.
  • SEVERIANO, Jairo e HOMEM DE MELLO, Zuza. A canção no tempo vol. 2. São Paulo: Editora 34, 1998.
  • SOUZA, Tárik de et alli. Brasil Musical. Rio de Janeiro: Art Bureau Representações e Edições de Arte,1988.

Crítica

A voz de Gal Costa reflete no seu cristal os (des)caminhos da música brasileira nos últimos 30 anos. Se o álbum inicial – “Domingo”, LP dividido com Caetano Veloso em 1967 – retratou e fiel discípula de João Gilberto, os primeiros discos solos traduziram toda a efervescência do movimento tropicalista do qual Gal foi um dos ícones. (...)

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

sábado, 21 de julho de 2012

Campinarte Especial / Amelinha


Amélia Cláudia G. Collares Bucaretchi
 21/7/1950 Fortaleza, CE 

Biografia

Cantora. Compositora. No ano de 1970, mudou-se do Ceará para São Paulo, onde estudou Comunicação.
[Saiba Mais]

Dados Artísticos

Começou de forma amadora, participando de shows de Fagner. Mais tarde, em 1974, passou a aparecer em programas de televisão. No ano seguinte, com Vinicius de Moraes e Toquinho, viajou para Punta del Leste, onde fez temporada com a dupla. Por essa época, Vinicius de Moraes compôs para ela "Ah! quem me dera". Ainda nesta época, fez parte do grupo de compositores nordestinos (...)
[Saiba Mais]

Obras

  • A gia (adaptação)
  • Melão caetano (c/ Ifê e Fausto Nilo)
[Saiba Mais]

Discografia

  • (2004) (Coletânea) Amelinha- 20 supersucessos • Revivendo; • CD
  • (2002) (Participação) Pessoal do Ceará - Ednardo, Amelinha & Belchior • Continental • CD
  • (1999) Só com você • CD
  • (1998) Amelinha • Oasis/Sony Music • CD
  • (1994) Só forró • CD
  • (1987) Amelinha • Continental • LP
[Saiba Mais]

Shows

  • Amelinha. Lona Cultural Hermeto Paschoal. Bangú. RJ,
  • Projeto César Nascimento - Tambô & forró. Espaço Teatro da Lapa - Casa do Umbu, RJ.
[Saiba Mais]

Clips

  • CD "Pessoal do Ceará-Ednardo, Amelinha & Belchior", lançado pela Continental. O disco foi produzido por Robertinho do Recife e reúne sucessos e clássicos dos três artistas. (2002)
  • CD "Amelinha"-20 supersucessos", que reúne sucessos como "Gemedeira", "Mulher nova bonita e carinhosa faz um homem gemer sem sentir dor", "Foi Deus quem fez você", "Romance da lua lua", e "Frevo mulher" entre outros. (2004)
[Saiba Mais]

Bibliografia Crítica

  • CHAVES, Xico e Sylvia Cyntrão. Da Paulicéia à Centopéia Desvairada - As Vanguardas e a MPB. Rio de Janeiro: Elo Editora, 1999.
  • PASCHOAL, Marcio. Pisa na fulô mas não maltrata o carcará. Vida e obra do compositor João do Vale, o poeta do povo. Rio de Janeiro: Lumiar Editora, 2000.
  • PERRONE, Charles A . Letras e letras da música popular brasileira (Trad. De José Luiz Paulo Machado). Rio de Janeiro: Elo Editora e Distribuidora Ltda, 1988.
[Saiba Mais]
Amelinha - Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Especial Roberto Ribeiro


Dermeval Miranda Maciel
* 20/7/1940 Campos, RJ
+ 8/1/1996 Rio de Janeiro, RJ

Em 1972, em parceria com a cantora Elza Soares gravou três compactos pela Odeon. Neste mesmo ano, a gravadora, satisfeita com o sucesso dos compactos, lançou o LP "Elza Soares e Roberto Ribeiro".
Em 1973 gravou o LP "Simone et Roberto Ribeiro - Brasil Export 73 Agô Kelofé", lançado pela gravadora Odeon somente para o mercado externo.
No ano de 1975, a Odeon lançou o compacto duplo "Sucessos 4 sambas", no qual Roberto Ribeiro interpretou "Leonel/Leonor" (Wilson Moreira e Neizinho). Ainda neste ano, despontou com os sucessos "Estrela de Madureira" (Acyr Pimentel e Cardoso) e "Proposta amorosa" (Monarco), ambas incluídas no LP "Molejo". A partir daí, sua carreira começou a ser notada pela crítica e pelo público, graças à beleza da sua voz e perfeito timbre para cantar o samba carioca. Um ano depois, lançou dois grandes sucessos nas rádios de todo o Brasil "Tempo É" (Zé Luiz e Nélson Rufino) e "Acreditar" (Ivone Lara e Délcio Carvalho), ambas de seu disco "Arrasta povo".
Em 1977, gravou "Liberdade" (Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho) no disco "Poeira pura", pela EMI. No ano posterior, o sucesso de "Todo menino é um rei" (Nélson Rufino e Zé Luiz) o colocou outra vez na lista dos disco mais vendidos. Do mesmo disco, outras músicas também despontaram nas emissoras, como "Amei demais" (Flávio Moreira e Liette de Souza) e "Isso não são horas" (Catoni, Chiquinho e Xangô da Mangueira) e "Meu drama" (Silas de Oliveira e J. Ilarindo), música incluída como tema da novela "Pai Herói", da TV Globo, fazendo um grande sucesso nacional, divulgada também no disco da novela, lançado pela gravadora Som Livre.Em 1979, lançou pela gravadora Odeon o LP "Coisas da vida". Entre as mais tocadas desse disco estavam "Vazio" (Nélson Rufino), conhecida na época como "Está faltando uma coisa em mim", e "Partilha" (Romildo e Sérgio Fonseca). No ano seguinte, gravou em seu disco "Fala meu povo", algumas composições suas, como "Vem", em parceria com Toninho Nascimento. Deste LP, constaram alguns sucessos da época, como "Só chora quem ama" (Wilson Moreira e Nei Lopes) e "Quem lucrou fui eu" (Monarco). Neste mesmo ano, a Fundação Nacional de Arte (Funarte), fez uma tiragem promocional deste disco.Em 1981, lançou o LP "Massa, raça e emoção", com o sucesso "Santa Clara Clareou" (Zé Baiano do Salgueiro).
No ano de 1983, interpretou no LP "Roberto Ribeiro", um sucesso de sua autoria, "Algemas"(c/ Toninho Nascimento). No ano seguinte, gravou outra parceria sua com Toninho Nascimento, "Lágrima morena", em seu disco "De Palmares ao tamborim", lançado pela EMI. Neste mesmo ano participou do disco "Partido alto nota 10", de Aniceto do Império, no qual interpretaram em dueto a faixa "Chega devagar", de autoria de Aniceto do Império.
Em 1985, lançou o LP "Corrente de aço", que contou com a participação de Chico Buarque na faixa "Quem te viu, quem te vê" (Chico Buarque) e de Nei Lopes na música "Malandros maneiros" (Nei Lopes e Zé Luiz).
Gravou o disco "Sorri pra vida" no ano de 1987, obtendo sucesso com a faixa "Ingrata paixão" (Mauro Diniz, Adilson Victor e Ratinho). Um ano depois, lançou "Roberto Ribeiro", disco que contou com a participação especial de Alcione na faixa "Mel pra minha dor" (Nélson Rufino e Avelino Borges) e do Grupo Raça na música "Malandro mais um" (Ronaldinho e Carlos Moraes).
Em 1995, a gravadora EMI-Odeon lançou o CD "O talento de Roberto Ribeiro", no qual compilou 22 sucessos de seus vários discos. Neste mesmo ano, participou do disco-homenagem "Clara Nunes com vida", produzido por Paulo César Pinheiro, no qual interpretou, (com sua voz acrescida posteriormente) em dueto com Clara Nunes "Coisa da antiga", de Wilson Moreira e Nei Lopes.
No ano de 2003, Neguinho da Beija-Flor prestou-lhe homenagem póstuma incluindo a faixa "Recomeçar" no disco "Duetos", lançado pela gravadora Indie Records.
No ano de 2006 Liette de Souza lançou o livro "Roberto Ribeiro 10 anos de saudade", na Sala Baden Powell, no Rio de Janeiro. Na ocasião o grupo Caviúna, formado Luciano Macedo (voz e percussão), Abel Luiz (cavaquinho), Patrick Ângelo (violão de 7 cordas), João Rafael (pandeiro) e Chico Abreu (surdo), prestou homenagem ao compositor com o show homônimo, que contou também com a participação de Alex Ribeiro (filho de Roberto Ribeiro) e ainda de, Ze Luiz do Império e as pastoras do Imperio Serrano.
No ano de 2007 foi lançado em DVD a gravação do programa "Ensaio", que o artista fez no ano de 1991 na TV Cultura de São Paulo, com direção de Fernando Faro. No DVD, além da entevista na qual Roberto Ribeiro fala de sua vida e da carreira, ainra interpretou seus maisores sucessos, entre os quais "Acreditar" (Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho), "Amor de verdade" (Flávio Moreira e Liete de Souza), "Todo menino é um rei" (Nélson Rufino e Zé Luiz do Império), além de composições do imperiano Silas de Oliveira: "Meu drama", "Hérois da liberdade" e "Amor aventureiro".
(Saiba mais no site / Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira)

Seguidores

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz
Clique na imagem

22 de Novembro é dia de Santa Cecília...

Padroeira dos músicos, por isso hoje também é comemorado o dia do músico. O músico pode ser arranjador, intérprete, regente e compositor. Há quem diga que os músicos devem ter talento nato para isso, mas existem cursos superiores na área e pessoas que estudam música a vida toda.
O músico pode trabalhar com música popular ou erudita, em atividades culturais e recreativas, em pesquisa e desenvolvimento, na edição, impressão e reprodução de gravações. A grande maioria dos profissionais trabalha por contra própria, mas existem os que trabalham no ensino e os que são vinculados a corpos musicais estaduais ou municipais.
A santa dos músicos
Santa Cecília viveu em Roma, no século III, e participava diariamente da missa celebrada pelo papa Urbano, nas catacumbas da via Ápia. Ela decidiu viver casta, mas seu pai obrigou-a a casar com Valeriano. Ela contou ao seu marido sua condição de virgem consagrada a Deus e conseguiu convence-lo. Segundo a tradição, Cecília teria cantado para ele a beleza da castidade e ele acabou decidindo respeitar o voto da esposa. Além disso, Valeriano converteu-se ao catolicismo.

Mito grego
Na época dos gregos, dizia-se que depois da morte dos Titãs, filhos de Urano, os deuses do Olimpo pediram que Zeus criasse divindades capazes de cantar as vitórias dos deuses do Olimpo. Então, Zeus se deitou com Mnemosina, a deusa da memória, durante nove noites consecutivas. Nasceram dessas noites as nove Musas. Dessas nove, a musa da música era Euterpe, que fazia parte do cortejo de Apolo, deus da Música.
Fonte: UFGNet

Rádio MEC AM

CONTOS NO RÁDIO