Pesquisar este blog

MPB - Google Notícias

Quem Somos?


 A Rádio Campinarte na verdade é um blog com o objetivo de divulgar, promover e na medida do possível gerar renda para os artistas (músicos) em particular do Terceiro Distrito de Duque de Caxias no Rio de Janeiro.
Um blog com cara de rádio, notícias do mundo do rádio, cantores do rádio.Um blog que tem como uma de suas principais bandeiras os novos talentos sem esquecer dos grandes nomes da música popular brasileira de todos os tempos; sem esquecer os pioneiros, os baluartes, os verdadeiros ícones da era de ouro do rádio. Fazemos isso para que esses novos talentos não percam de vista nossas referências musicais que até hoje são veneradas mundo a fora - uma forma que encontramos de dizer um MUITO OBRIGADO àqueles que nos proporcionaram (e continuam proporcionando) com suas vozes, suas músicas, momentos de paz e alegria. Uma maneira de agradecer a todos que ajudaram a compor as trilhas sonoras de milhões e milhões de pessoas.
Este blog irá gradativamente estreitar os seus laços com as Rádios Comunitárias que desenvolvem um papel importantíssimo em nossos bairros.
A Rádio Campinarte tem (fundamentalmente) um compromisso com a qualidade e o bom gosto / e qualidade e bom gosto nos vamos pinçar nos nossos bairros, o que nós queremos mesmo é fazer jus ao nome: RÁDIO CAMPINARTE - O SOM DAS COMUNIDADES.


CLIQUE NAS IMAGENS E OUÇA OS NOSSOS ESPECIAIS

  
   

O SHOW DO COMÉRCIO DO CAMPINARTE

segunda-feira, 25 de março de 2013

Campinarte Instrumental / Quinteto Armorial

Componentes
Antônio José MadureiraEgildo Vieira do Nascimento
Antônio Nóbrega
Fernando Torres Barbosa
Edilson Eulálio Cabral
[Saiba Mais]


Dados Artísticos

Grupo instrumental. Compositores. Antônio José Madureira (viola sertaneja)
Egildo Vieira do Nascimento (pífano e flauta) - Piranhas, AL-1947
Antônio Carlos Nóbrega de Almeida (rabeca e violino) - Recife, PE- 1952
Fernando Torres Barbosa (berimbau nordestino) - Palmeira dos Índios, Al-1945
Edilson Eulálio Cabral (violão) - Campina Grande, PB-1948
O (...)
[Saiba Mais]

Obras

  • Aralume (Antônio J. Madureira)
  • Bendito (Antônio J. Madureira)
  • Chamada e marcha caminheira (Egidio Nascimento)
  • Guerreiro (Antônio J. Madureira)
  • Improviso (Antônio J. Madureira)
  • Lancinante (Antônio J. Madureira)
[Saiba Mais]

Discografia

  • (1980) Sete flexas • Marcus Pereira • LP
  • (1978) Quinteto Armorial • Marcus Pereira • LP
  • (1976) Aralume • Marcus Pereira • LP
  • (1974) Do romance ao galope nordestino • Marcus Pereira MPL 1017 • LP
[Saiba Mais]

Shows

  • Festival de Cosquim, Argentina,
  • Teatro da Universidade Católica de São Paulo, SP.
[Saiba Mais]

Campinarte Especial / Berenice Azambuja




Biografia

Cantora. Instrumentista (acordeom, violão, baixo, bateria, vibrafone, cavaquinho). Começou a carreira artística ainda criança. Estudou música desde os sete anos de idade.
[Saiba Mais]

Dados Artísticos

Aos 11 anos de idade, apresentou-se no programa infantil "Clube do Guri", acompanhado no acordeom a cantora Elis Regina, na época também criança. Cantando música regional do sul, gravou mais de dez discos. Já se apresentou em quase todos os estados brasileiros. Em 1985, Sérgio Reis gravou "É disso que o velho gosta", dela e Gildo Campos. Em 1996, a (...)
[Saiba Mais]

Obras

  • É disso que o velho gosta (c/ Gildo Campos)
[Saiba Mais]

Discografia

  • ([S/D]) Gauchinha faceira • Musicolor • LP
  • (2008) Dançando num Sarava – USA Discos - CD
  • (2003) Berenice Azambuja • CD
  • (1981) Tropeada da vida • LP
[Saiba Mais]

quinta-feira, 21 de março de 2013

Campinarte Caipira / Rolando Boldrin


 22/10/1936 São Joaquim da Barra, SP 

Biografia

Compositor. Cantor. Instrumentista. Ator. Aprendeu a tocar viola com sete anos. Aos 12 anos, formou uma dupla com um de seus irmãos, Boy e Formiga. Fizeram apresentações na Rádio de sua cidade. Em 1953, mudou-se para São Paulo a fim de tentar a carreira artística. Trabalhou como sapateiro, frentista, carregador e garçom.
[Saiba Mais]

Dados Artísticos

Estreou como cantor em 1963, quase por acaso, gravando com Lurdinha Pereira, sua futura esposa, o bolero "Um cantinho para dois", de Daniel Magalhães e José de Assis, antes ouvido pelo produtor Palmeira, que gostou da interpretação da dupla e mandou gravar o disco, apesar do aviso de que não era cantor, mas sim compositor. A partir de então, tomou parte em (...)
[Saiba Mais]

Obras

  • A Saudade e você (c/ Léo Romano)
  • A vida do homem (c/ Xavier Marques)
  • Amor de violeiro
  • Amor errado (c/ Léo Romano)
  • Boiada cuiabana
  • Chico Boateiro
[Saiba Mais]

Discografia

  • (2006) Senhor Brasil-Rolando Boldrin e convidados - Ao Vivo • Intercd e Cultura Marcas • CD
  • (2000) Rolando e Boldrin-O disco da moda • Kuarup • CD
  • (1999) Esquentai vossos pandeiros • LP
  • (1994) Grandes sucessos de Rolando Boldrin • RGE • CD
  • (1994) Rolando Boldrin • Continental/Warner • CD
  • (1993) Disco da moda • RGE • CD
[Saiba Mais]

quarta-feira, 13 de março de 2013

Campinarte Memória / Agepê


Antônio Gilson Porfírio / 
 10/8/1942 Rio de Janeiro, RJ 

 30/8/1995 Rio de Janeiro, RJ

Biografia

Cantor. Compositor / Técnico projetista da Telerj, abandonou a profissão para se dedicar à vida artística. Foi integrante da ala dos compositores da Portela. Além de sambas, incluía sempre em seus discos agerê, ijexá e baião, abrindo um leque de ritmos brasileiro. Seu parceiro mais constante foi Canário, com quem (...)
[Saiba Mais]

Dados Artísticos

Lançou-se no mundo artístico em 1975 com a música "Moro onde não mora ninguém", em parceria com Canário, gravada em compacto simples. Música que o tornou definitivamente conhecido do grande público devido ao sucesso que alcançou.
Em 1977, lançou o LP "Agepê" pela Continental Discos.

Em 1984 no LP "Mistura Brasileira", (...)

Obras

  • A luz do teu olhar (c/ Aílton e Edinho da Lapa)
  • À mercê do teu amor (c/ Canário, Roberto Lopes e Simões PQD)
  • À Procura da flor (c/ Canário e Beto Correa)
  • Alegria no ar (c/ Canarinho e Totonho)
  • Banho de amor (c/ Wilson Lee e Paulo Rocha)
  • Carnaval porreta (c/ Pery Cachoeira)

Discografia

  • (1994) Feliz da vida • Continental/Warner Music • CD
  • (1991) Me leva • PolyGram • CD
  • (1990) Agepê • PolyGram • CD
  • (1989) Cultura popular • PolyGram • CD
  • (1988) Canto pra gente cantar • Philips • LP
  • (1987) Agepê • Philips • LP

Bibliografia Crítica

  • ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.
  • ALBIN, Ricardo Cravo. MPB, a história de um século. Rio de Janeiro: Atrações Produções Ilimitadas/MEC/Funarte, 1997.
  • AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da música brasileira - erudita, folclórica e popular. 3. ed. São Paulo: Arte Editora/Itaú Cultural/Publifolha, 1998.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. Enciclopédia da Música Brasileira - Erudita, Folclórica e Popular. São Paulo: Arte Editora/Itaú Cultural, 1977.

Especial / Adelaide Chiozzo


Adelaide Chiozzo
 8/5/1931 São Paulo, SP


Biografia

Atriz. Cantora. Instrumentista. Compositora / Em 1939, aos oito anos de idade começou a aprender acordeon. Com 15 anos, foi indicada pelo compositor Irani de Oliveira para participar do Programa Papel Carbono apresentado por Renato Murce na Rádio Clube do Brasil fazendo imitação do sanfoneiro e cantor gaúcho Pedro Raimundo.

Dados Artísticos

Em 1946, estreou no cinema atuando na comédia "Segura esta mulher" ao lado do pai Afonso Chiozzo, com direção de Watson Macedo. Nesse filme acompanhou com o pai o cantor Bob Nelson na música "O boi Barnabé", de Afonso Simão e Bob Nélson. Em 1947, atuou ainda com o pai na comédia "Esse mundo é um pandeiro", de Watson Macedo. Em 1948, atuou (...)

Discografia

  • (1958) Ele esqueceu/Cabecinha no ombro • Copacabana • 78
  • (1958) Lar... doce melodia • Copacabana • LP
  • (1957) A sempre viva/Tua companhia • Copacabana • 78
  • (1957) Nossa toada/Trenzinho do amor • Copacabana • 78
  • (1956) Papel fino/Vamos soltar balão • Copacabana • 78
  • (1956) Meu papai/Menina não joga pedra • Copacabana • 78

Bibliografia Crítica

  • AZEVEDO, M. A . de (NIREZ) et al. Discografia brasileira em 78 rpm. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.
  • MARCONDES, Marcos Antônio. (ED). Enciclopédia da Música popular brasileira: erudita, folclórica e popular. 2. ed. São Paulo: Art Editora/Publifolha, 1999.

segunda-feira, 4 de março de 2013

Especial / João Gilberto


Ganhou um violão aos 14 anos de idade, e, desde então, jamais o largou. Aos 18 anos decide se mudar para Salvador tornando-se crooner da Rádio Sociedade da Bahia. 
Em seguida, foi para o Rio de Janeiro, em 1950, e teve algum sucesso cantando no grupo Garotos da Lua (que atuava na Rádio Tupi), com quem gravou dois discos. Em março de 1959 foi lançado seu primeiro álbum, Chega de saudade, seguido de mais dois nos anos subseqüentes; estava consolidada a nova linguagem musical. 
A sonoridade criada por João Gilberto, acrescida de um ritmo original, popularizou desde cedo o samba moderno com o nome de bossa nova. Depois de revolucionar a música brasileira, o som de João Gilberto atingiu os músicos de jazz, que o identificaram como fenômeno. 
Em 1991 lançou o CD João, que não tinha nenhuma composição de Tom Jobim. Ao invés disso, teve trabalhos de Caetano, Cole Porter e de compositores de língua espanhola. 

Seguidores

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz

Ouça grátis as 100 maiores músicas do Jazz
Clique na imagem

22 de Novembro é dia de Santa Cecília...

Padroeira dos músicos, por isso hoje também é comemorado o dia do músico. O músico pode ser arranjador, intérprete, regente e compositor. Há quem diga que os músicos devem ter talento nato para isso, mas existem cursos superiores na área e pessoas que estudam música a vida toda.
O músico pode trabalhar com música popular ou erudita, em atividades culturais e recreativas, em pesquisa e desenvolvimento, na edição, impressão e reprodução de gravações. A grande maioria dos profissionais trabalha por contra própria, mas existem os que trabalham no ensino e os que são vinculados a corpos musicais estaduais ou municipais.
A santa dos músicos
Santa Cecília viveu em Roma, no século III, e participava diariamente da missa celebrada pelo papa Urbano, nas catacumbas da via Ápia. Ela decidiu viver casta, mas seu pai obrigou-a a casar com Valeriano. Ela contou ao seu marido sua condição de virgem consagrada a Deus e conseguiu convence-lo. Segundo a tradição, Cecília teria cantado para ele a beleza da castidade e ele acabou decidindo respeitar o voto da esposa. Além disso, Valeriano converteu-se ao catolicismo.

Mito grego
Na época dos gregos, dizia-se que depois da morte dos Titãs, filhos de Urano, os deuses do Olimpo pediram que Zeus criasse divindades capazes de cantar as vitórias dos deuses do Olimpo. Então, Zeus se deitou com Mnemosina, a deusa da memória, durante nove noites consecutivas. Nasceram dessas noites as nove Musas. Dessas nove, a musa da música era Euterpe, que fazia parte do cortejo de Apolo, deus da Música.
Fonte: UFGNet

Rádio MEC AM

CONTOS NO RÁDIO